SESMT - SERVIÇO ESPECIALIZADO EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO

De acordo com a Norma Regulamentadora - NR4, as empresas privadas e públicas, os órgãos públicos da administração direta e indireta e dos poderes Legislativo e Judiciário, que possuam empregados regidos pela Consolidação das Leis do Trabalho - CLT manterão, obrigatoriamente, Serviços Especializados em Segurança e em Medicina do Trabalho - SESMT, com a finalidade de promover a saúde e proteger a integridade do trabalhador no local de trabalho.

 

Na Fundação para o Desenvolvimento Médico e Hospitalar-FAMESP, os empregados são regidos pela CLT, e portanto, todas as unidades administradas pela Fundação, tem seu SESMT, composto por equipe multidisciplinar formada por profissionais especializados, conforme determina a Lei.

 

Composição do SESMT da FAMESP:

 

NOMEFUNÇÃO
Jonas Montalvão BarretoEngenheiro de Segurança do Trabalho
Juci Fernandes FaggianTécnico de Segurança do Trabalho
Carlos Alberto SerafinTécnico de Segurança do Trabalho
Cristina Fernandes da SilvaTécnico de Segurança do Trabalho
Giulianno dos Santos MilanesiTécnico de Segurança do Trabalho
Luciane Regina CheminMédico do Trabalho
Eduardo Rommel Oliveira PeñalozaMédico do Trabalho
Luiz Roberto VocciAuxiliar de Enfermagem do Trabalho
Luana Pontes Leles ManducaSecretaria Junior

 

O SESMT da Famesp de Botucatu, assessora os Ambulatórios Médicos de Especialidades (AMES), das cidades de Tupã, Itapetininga e Ourinhos, em assuntos relacionados à segurança do trabalho.

 

Composição do SESMT Hospital Estadual Bauru:

 

NOMEFUNÇÃO
André Fabiano de Carvalho PinheiroEngenheiro de Segurança do Trabalho
Maurício Neves FernandesTécnico de Segurança do Trabalho
Mauro Henrique Pereira PintoTécnico de Segurança do Trabalho
Marcos Cesar dos SantosTécnico de Segurança do Trabalho
Vandocir Menegueti de CamposTécnico de Segurança do Trabalho
Francisco Luis GobatoMédico do Trabalho
Erica Tatiana Vieira Munhoz Médica do Trabalho
Èlio Fernandes dos SantosEnfermeiro do Trabalho
Sabrina Batista CustódioTécnica de Enfermagem
Maria de Cássia Almeida da SilvaTécnica de Enfermagem
Milena Valelongo ManenteSupervisora
Cristiene GomesOficial Administrativo

 

O SESMT do Hospital Estadual de Bauru, assessora o AME - Bauru, em assuntos relacionados à segurança do trabalho.

 

Composição do SESMT do Hospital de Base de Bauru:

 

NOMEFUNÇÃO
Richard Apolonio SantosEngenheiro de Segurança do Trabalho
Aristides Sebastião Junior Técnico de Segurança do Trabalho
Daniela Maria Molan Ferreira CampesiTécnico de Segurança do Trabalho
David Alex Mendes de AbreuTécnico de Segurança do Trabalho
Patricia Cristina Machado LopesTécnico de Segurança do Trabalho
Weber Poli de OliveiraOficial Administrativo
Antonio Estefano GermanoMedico do Trabalho
Fabiola Guimarães AssadMedica do Trabalho
Jorge JogheibMédico do Trabalho – Examinador
Paulo Cesar Liberato de Macedo RosaEnfermeiro do Trabalho
Noemi Aparecida MedeirosTécnica de Enfermagem

 

Na Maternidade Santa Isabel, de Bauru, que também é administrada pela FAMESP, o SESMT está sob a responsabilidade da Técnica de Segurança do Trabalho, Maíra Gonçalves Plácido, e conta com a assessoria do SESMT de Botucatu, em assuntos relacionados à segurança do trabalho.

 

Outra unidade também administrada pela FAMESP, é o Hospital Estadual Manoel de Abreu, de Bauru, que tem seu SESMT sob a responsabilidade do Técnico de Segurança do Trabalho, José Mario Luiz, e conta com a assessoria do SESMT do HEB, em assuntos relacionados à segurança do trabalho.

 

1. O que é Segurança do Trabalho?

 

Segurança do trabalho pode ser entendida como os conjuntos de medidas que são adotados visando minimizar os acidentes de trabalho, doenças ocupacionais, bem como proteger a integridade e a capacidade de trabalho do trabalhador.

 

A Segurança do Trabalho estuda diversas disciplinas como Introdução à Segurança, Higiene e Medicina do Trabalho, Prevenção e Controle de Riscos em Máquinas, Equipamentos e Instalações, Psicologia na Engenharia de Segurança, Comunicação e Treinamento, Administração aplicada à Engenharia de Segurança, O Ambiente e as Doenças do Trabalho, Higiene do Trabalho, Metodologia de Pesquisa, Legislação, Normas Técnicas, Responsabilidade Civil e Criminal, Perícias, Proteção do Meio Ambiente, Ergonomia e Iluminação, Proteção contra Incêndios e Explosões e Gerência de Riscos.

 

A Segurança do Trabalho é definida por normas e leis. No Brasil, a Legislação de Segurança do Trabalho compõe-se de Normas Regulamentadoras, leis complementares, como portarias e decretos e também as convenções Internacionais da Organização Internacional do Trabalho, ratificadas pelo Brasil.

 

2. Por que a FAMESP precisa constituir equipe de Segurança do Trabalho?

 

Porque é exigido por lei. Por outro lado, a Segurança do Trabalho faz com que a empresa se organize, aumentando a produtividade e a qualidade de vida, melhorando as relações humanas no trabalho.

 

3. O que é acidente de trabalho?

 

Acidente de trabalho é aquele que acontece no exercício do trabalho a serviço da empresa, provocando lesão corporal ou perturbação funcional podendo causar morte, perda ou redução permanente ou temporária, da capacidade para o trabalho.

 

Equiparam-se aos acidentes de trabalho:

 

a. O acidente que acontece quando você está prestando serviços por ordem da empresa fora do local de trabalho;

 

b. O acidente que acontece quando você estiver em viagem a serviço da empresa;

 

c. O acidente que ocorre no trajeto entre a casa e o trabalho ou do trabalho para casa;

 

d. Doença profissional (as doenças provocadas pelo tipo de trabalho);

 

e. Doença do trabalho (as doenças causadas pelas condições do trabalho).

 

4. Onde atua o profissional de Segurança do Trabalho?

 

O profissional de Segurança do Trabalho tem uma área de atuação bastante ampla. Ele atua em todas as esferas da sociedade onde houver trabalhadores. Em geral ele atua em fábricas de alimentos, construção civil, hospitais, empresas comerciais e industriais, grandes empresas estatais, mineradoras e de extração. Também pode atuar na área rural em empresas agro-industriais.

 

5. O que faz o profissional de Segurança do Trabalho?

 

O profissional de Segurança do Trabalho atua conforme sua formação, quer seja ele engenheiro, técnico, médico ou técnico em enfermagem. O campo de atuação é muito vasto. Em geral o engenheiro e o técnico de segurança atuam em empresas organizando programas de prevenção de acidentes, orientando a CIPA, os trabalhadores quanto ao uso de equipamentos de proteção individual, elaborando planos de prevenção de riscos ambientais, fazendo inspeção de segurança, laudos técnicos e ainda organizando e dando palestras e treinamento. Muitas vezes esse profissional também é responsável pela implementação de programas de meio ambiente e ecologia na empresa.

 

O médico e o enfermeiro do trabalho dedicam-se à parte de saúde ocupacional, prevenindo doenças, fazendo consultas, tratando ferimentos, ministrando vacinas, fazendo exames de admissão e periódicos nos empregados

 

6. O que exatamente faz cada um dos profissionais de Segurança do Trabalho?

 

Engenheiro de Segurança do Trabalho:

 

a. assessora empresas industriais e de outro gênero em assuntos relativos à segurança e higiene do trabalho, examinando locais e condições de trabalho, instalações em geral e material, métodos e processos de fabricação adotados pelo trabalhador, para determinar as necessidades dessas empresas no campo da prevenção de acidentes;

 

b. inspeciona estabelecimentos fabris, comerciais e de outro gênero, verificando se existem riscos de incêndios, desmoronamentos ou outros perigos, para fornecer indicações quanto às precauções a serem tomadas;

 

c. promove a aplicação de dispositivos especiais de segurança, como óculos de proteção, cintos de segurança, vestuário especial, máscara e outros, determinando aspectos técnicos funcionais e demais características, para prevenir ou diminuir a possibilidade de acidentes;

 

d. adapta os recursos técnicos e humanos, estudando a adequação da máquina ao homem e do homem à máquina, para proporcionar maior segurança ao trabalhador;

 

e. executa campanhas educativas sobre prevenção de acidentes, organizando palestras e divulgações nos meios de comunicação, distribuindo publicações e outro material informativo, para conscientizar os trabalhadores e o público, em geral;

 

f. estuda as ocupações encontradas num estabelecimento fabril, comercial ou de outro gênero, analisando suas características, para avaliar a insalubridade ou periculosidade de tarefas ou operações ligadas à execução do trabalho;

 

g. realiza estudos sobre acidentes de trabalho e doenças profissionais, consultando técnicos de diversos campos, bibliografia especializada, visitando fábricas e outros estabelecimentos, para determinar as causas desses acidentes e elaborar recomendações de segurança.

 

Técnico de Segurança do Trabalho:

 

a. inspeciona locais, instalações e equipamentos da empresa, observando as condições de trabalho, para determinar fatores e riscos de acidentes; estabelece normas e dispositivos de segurança, sugerindo eventuais modificações nos equipamentos e instalações e verificando sua observância, para prevenir acidentes;

 

b. inspeciona os postos de combate a incêndios, examinando as mangueiras, hidrantes, extintores e equipamentos de proteção contra incêndios, para certificar-se de suas perfeitas condições de funcionamento;

 

c. comunica os resultados de suas inspeções, elaborando relatórios, para propor a reparação ou renovação do equipamento de extinção de incêndios e outras medidas de segurança;

 

d. investiga acidentes ocorridos, examinando as condições da ocorrência, para identificar suas causas e propor as providências cabíveis;

 

e. mantém contatos com os serviços médico e social da empresa ou de outra instituição, utilizando os meios de comunicação oficiais, para facilitar o atendimento necessário aos acidentados;

 

f. registra irregularidades ocorridas, anotando-as em formulários próprios e elaborando estatísticas de acidentes, para obter subsídios destinados à melhoria das medidas de segurança;

 

g. instrui os funcionários da empresa sobre normas de segurança, combate a incêndios e demais medidas de prevenção de acidentes, ministrando palestras e treinamento, para que possam agir acertadamente em casos de emergência;

 

h. coordena a publicação de matéria sobre segurança no trabalho, preparando instruções e orientando a confecção de cartazes e avisos, para divulgar e desenvolver hábitos de prevenção de acidentes;

 

i. participa de reuniões sobre segurança no trabalho, fornecendo dados relativos ao assunto, apresentando sugestões e analisando a viabilidade de medidas de segurança propostas, para aperfeiçoar o sistema existente.

 

Médico do Trabalho:

 

a. executa exames periódicos de todos os empregados ou em especial daqueles expostos a maior risco de acidentes do trabalho ou de doenças profissionais, fazendo o exame clínico e/ou interpretando os resultados de exames complementares, para controlar as condições de saúde dos mesmos a assegurar a continuidade operacional e a produtividade;

 

b. executa exames médicos especiais em trabalhadores, portadores de subnormalidades, fazendo anamnese, exame clínico e/ou interpretando os resultados de exames complementares, para detectar prováveis danos à saúde em decorrência do trabalho que executam e instruir a administração da empresa para possíveis mudanças de atividades;

 

c. faz tratamento de urgência em casos de acidentes de trabalho ou alterações agudas da saúde, orientando e/ou executando a terapêutica adequada, para prevenir conseqüências mais graves ao trabalhador;

 

d. avalia, juntamente com outros profissionais, condições de insegurança, visitando periodicamente os locais de trabalho, para sugerir à direção da empresa medidas destinadas a remover ou atenuar os riscos existentes;

 

e. participa, juntamente com outros profissionais, da elaboração e execução de programas de proteção à saúde dos trabalhadores, analisando em conjunto os riscos, as condições de trabalho, os fatores de insalubridade, de fadiga e outros, para obter a redução de absenteísmo e a renovação da mão-de-obra;

 

f. participa do planejamento e execução dos programas de treinamento das equipes de atendimento de emergências, avaliando as necessidades e ministrando aulas, para capacitar o pessoal incumbido de prestar primeiros socorros em casos de acidentes graves e catástrofes;

 

g. participa de inquéritos sanitários, levantamentos de doenças profissionais, lesões traumáticas e estudos epidemiológicos, elaborando e/ou preenchendo formulários próprios e estudando os dados estatísticos, para estabelecer medidas destinadas a reduzir a morbidade e mortalidade decorrentes de acidentes do trabalho, doenças profissionais e doenças de natureza não-ocupacional;

 

h. participa de atividades de prevenção de acidentes, comparecendo a reuniões e assessorando em estudos e programas, para reduzir as ocorrências de acidentes do trabalho;

 

i. participa dos programas de vacinação, orientando a seleção da população trabalhadora e o tipo de vacina a ser aplicada, para prevenir moléstias transmissíveis;

 

j. participa de estudos das atividades realizadas pela empresa, analisando as exigências psicossomáticas de cada atividade, para elaboração das análises profissiográficas;

 

k. procede aos exames médicos destinados à seleção ou orientação de candidatos a emprego em ocupações definidas, baseando-se nas exigências psicossomáticas das mesmas, para possibilitar o aproveitamento dos mais aptos;

 

Enfermeiro do Trabalho:

 

a. Estuda as condições de segurança e periculosidade da empresa, efetuando observações nos locais de trabalho e discutindo-as em equipe, para identificar as necessidades no campo de segurança, higiene e melhoria do trabalho;

 

b. elabora e executa planos e programas de promoção e proteção à saúde dos empregados, participando de grupos que realizam inquéritos sanitários, estudam as causas de absenteísmo, fazem levantamentos de doenças profissionais e lesões traumáticas, procedem a estudos epidemiológicos, coletam dados estatísticos de morbidade e mortalidade de trabalhadores, investigando possíveis relações com as atividades funcionais, para obter a continuidade operacional e o aumento da produtividade;

 

c. executa e avalia programas de prevenção de acidentes e de doenças profissionais e não profissionais, fazendo análise de fadiga, dos fatores de insalubridade, dos riscos e das condições de trabalho do menor e da mulher, para propiciar a preservação da integridade física e mental do trabalhador;

 

c. presta primeiros socorros no local de trabalho, em caso de acidente ou doença, fazendo curativos ou imobilizações especiais, administrando medicamentos e tratamentos e providenciando o posterior atendimento médico adequado, para atenuar consequências e proporcionar apoio e conforto ao paciente;

 

d. elabora e executa e avalia as atividades de assistência de enfermagem aos trabalhadores, proporcionando-lhes atendimento ambulatorial, no local de trabalho, controlando sinais vitais, aplicando medicamentos prescritos, curativos, inalações e testes, coletando material para exame laboratorial, vacinações e outros tratamentos, para reduzir o absenteísmo profissional;

 

e. organiza e administra o setor de enfermagem da empresa, prevendo pessoa e material necessários, treinando e supervisionando auxiliares de enfermagem adequado às necessidades de saúde do trabalhador;

 

f. treina trabalhadores, instruindo-os sobre o uso de roupas e material adequado ao tipo de trabalho, para reduzir a incidência de acidentes;

 

g. planeja e executa programas de educação sanitária, divulgando conhecimentos e estimulando a aquisição de hábitos sadios, para prevenir doenças profissionais e melhorar as condições de saúde do trabalhador;

 

h. registra dados estatísticos de acidentes e doenças profissionais, mantendo cadastros atualizados, a fim de preparar informes para subsídios processuais nos pedidos de indenização e orientar em problemas de prevenção de doenças profissionais.

 

Auxiliar de Enfermagem do Trabalho:

 

a. participa da prestação de assistência de enfermagem segura, humanizada e individualizada aos usuários dos serviços, assim como colaborar nas atividades de ensino e pesquisa desenvolvidas na Instituição, sob a supervisão do Enfermeiro;

 

b. prepara clientes para consultas e exames, orientando-os sobre as condições de realização dos mesmos;

 

c. colher e ou auxiliar cliente na coleta de material para exames de laboratório, segundo orientação;

 

d. realiza exames de eletrodiagnósticos e registrar os eletrocardiogramas efetuados, segundo instruções médicas ou de enfermagem;

 

e. orienta e auxiliar clientes, prestando informações relativas a higiene, alimentação, utilização de medicamentos e cuidados específicos em tratamento de saúde;

 

f. verifica os sinais vitais e as condições gerais dos clientes, segundo prescrição médica e de enfermagem;

 

g. cumpre prescrições de assistência médica e de enfermagem;

 

h. realiza a movimentação e o transporte de clientes de maneira segura;

 

i. prepara e administrar medicações por via oral, tópica, intradérmica, subcutânea, intramuscular, endovenosa e retal, segundo prescrição médica;

 

j. realiza registros da assistência de enfermagem prestada ao cliente e outras ocorrências a ele relacionadas;

 

k. circula e instrumentar em salas cirúrgicas e obstétricas, preparando-as conforme o necessário;

 

l. efetua o controle diário do material utilizado, bem como requisitar, conforme as normas da instituição, o material necessário à prestação da assistência à saúde do cliente;

 

m. executa atividades de limpeza, desinfecção, esterilização do material e equipamento, bem como sua conservação, preparo, armazenamento e distribuição, comunicando ao superior eventuais problemas;

 

n. propõe a aquisição de novos instrumentos para reposição daqueles que estão avariados ou desgastados;

 

o. coleta leite materno no lactário ou no domicílio;

 

p. realiza controles e registros das atividades do setor e outros que se fizerem necessários para a realização de relatórios e controle estatístico;

 

q. auxilia na preparação do corpo após o óbito;

 

r. cumpre as medidas de prevenção e controle de infecção hospitalar;

 

s. participa de programa de treinamento, quando convocado;

 

t. executa tarefas pertinentes à área de atuação, utilizando-se de equipamentos e programas de informática;

 

u. atua em dependências de fábricas, indústrias ou outros estabelecimentos que justifiquem sua presença.

 

7. Investir em Segurança do Trabalho é perda de tempo?

 

Não. Investir em segurança também vai aumentar o grau de conscientização dos empregados. Fazer treinamento de segurança vai melhorar o relacionamento entre eles.Se nunca aconteceu acidente não quer dizer que nunca vai acontecer, por isso devemos estar sempre prevenidos.

 

8. A Diretoria de uma empresa deve contratar os profissionais habilitados, formar o SESMT e ponto final?

 

Errado. Quando se fala em segurança em uma empresa, toda a diretoria deve estar envolvida. De nada adianta treinar os empregados, fazer campanhas, se a diretoria, a maior responsável pela empresa, não estiver envolvida e engajada com a Segurança do Trabalho. Se isso acontecer a empresa fica sendo acéfala, isto é, sem cabeça, sem coordenação, perdendo-se tudo o que foi feito, caindo a Segurança do Trabalho no esquecimento em poucos meses.

 

9. O que fazer para ser um empregado participativo nos assuntos relacionados à prevenção de acidentes em minha empresa?

 

A primeira coisa a fazer é manter a mente aberta, conversar com os empregados, com o pessoal da área de segurança, participar do processo. Também é de muita valia assistir palestras e seminários, fazer cursos de atualização sobre gerenciamento, qualidade e meio ambiente. Em muitos desses cursos são ministrados tópicos envolvendo Segurança do Trabalho, que vem somar-se ao conhecimento necessário para ajudar sua empresa a ser eficiente, segura, organizada, produtiva e em condição de trabalho cada vez mais satisfatória. Participar da CIPA, também é uma maneira muito gratificante para quem quer atuar para valer, nas melhorias e transformações das condições de trabalho.

 

10. Participar da CIPA? O que é CIPA?

 

A Comissão Interna de Prevenção de Acidentes-CIPA, é um instrumento que os trabalhadores dispõem para tratar da prevenção de acidentes do trabalho, das condições do ambiente do trabalho e de todos os aspectos que afetam sua saúde e segurança. A CIPA é regulamentada pela Consolidação das Leis do Trabalho-CLT, nos artigos 162 a 165 e pela Norma Regulamentadora 5-NR-5, contida na portaria 3.214 de 08.06.78, baixada pelo Ministério do Trabalho e Emprego.

 

A constituição de órgãos dessa natureza dentro das empresas foi determinada pela ocorrência significativa e crescente de acidentes e doenças típicas do trabalho em todos os países que se industrializaram.

 

A CIPA é composta de representantes do empregador e dos empregados, de acordo com o dimensionamento previsto, ressalvadas as alterações disciplinadas em atos normativos para setores econômicos específicos.

 

No Brasil, esta participação, prevista na CLT, se restringe a CIPA, onde os trabalhadores formalmente ocupam metade de sua composição após eleições diretas e anuais.

 

OBJETIVO:

 

O objetivo básico da CIPA é fazer com que empregadores e empregados trabalhem conjuntamente na tarefa de prevenir acidentes e melhorar a qualidade do ambiente de trabalho, de modo a tornar compatível permanentemente o trabalho com a preservação da vida e a promoção da saúde do trabalhador.

 

A CIPA também tem por atribuição identificar os riscos do processo de trabalho e elaborar o mapa de risco, com a participação do maior número de trabalhadores e com a assessoria do SESMT.