Famesp cria Curso de Especialização em Cirurgia de Cabeça e Pescoço

Postado por FAMESP em 05/05/2017 em NOTÍCIAS | Comentários desativados

Área de Ensino da Fundação em Bauru acaba de ser incrementada graças a credenciamento recebido pela Sociedade Brasileira de Cirurgia de Cabeça e Pescoço. Com duração de dois anos, curso tem Hospital Estadual e Hospital de Base como campos de atuação.

A Fundação para o Desenvolvimento Médico e Hospitalar (Famesp) acaba de criar um Curso de Especialização em Cirurgia de Cabeça e Pescoço junto ao seu Núcleo de Ensino e Pesquisa (NEP) em Bauru. A novidade veio com o credenciamento da equipe da Famesp que atua nesta área em Bauru pela Sociedade Brasileira de Cirurgia de Cabeça e Pescoço (SBCCP). “Esse curso representa um importante avanço, pois regulariza o treinamento de médicos que atuam nessa área. Além disso, é uma ação que capacita os profissionais que atuarão nos serviços públicos de saúde administrados pela Famesp”, salienta Rosilene Cordeiro, coordenadora do Núcleo de Ensino e Pesquisa da Fundação, acrescentando que é o primeiro passo para que seja criada, futuramente, uma Residência Médica em Cirurgia de Cabeça e Pescoço.

Com duração de dois anos (abril/2017 a março/2019), o Curso é enquadrado na modalidade de ensino de pós-graduação, sob a orientação de profissionais médicos com título de especialista pela Associação Médica Brasileira e pelo Conselho Federal de Medicina. São oferecidas duas vagas para médicos que concluíram Residência Médica em Otorrinolaringologia ou em Cirurgia Geral. O primeiro edital de seleção teve o resultado divulgado no dia 19 de abril com o ingresso de dois médicos pregressos da Residência em Otorrinolaringologia do Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais da Universidade de São Paulo (HRAC-USP).


Veja mais

 

Conselho de Administração da Famesp tem representação de funcionários

Postado por FAMESP em 28/04/2017 em NOTÍCIAS | Comentários desativados

Reeleitos, funcionários que atuam em Botucatu pretendem expandir, neste mandato, a representatividade para trabalhadores da Famesp de outros municípios: “O foco ficou só em Botucatu, nós somos os representantes de todos os funcionários, de todas as cidades, a ideia é uma aproximação maior com esses municípios”, prevê Carlos Ramos.

No último dia 25 de abril, foram eleitos os representantes do Conselho de Administração da Fundação para o Desenvolvimento Médico e Hospitalar (Famesp), órgão de deliberação superior e de controle da administração. Foram reeleitos para mandato de quatro anos Carlos Ramos (titular) e Luciano Augusto Nadai Donini (suplente), ambos lotados em Botucatu.

Ramos e Donini receberam 225 votos (28,23%) do total de 797 votantes das mais diferentes unidades administradas pela Famesp. A chapa que obteve a segunda colocação foi composta por Suellen Sousa e Cristiane Francisco, ambas da Maternidade Santa Isabel, em Bauru, que receberam 199 votos. O terceiro lugar ficou com a dupla de funcionárias do Hospital de Base de Bauru, Leonilda Cristina Pereira Vieira e Luciana Gregório dos Santos, que receberam 110 votos.

Para Ramos, houve, durante o último mandato, um grande avanço na relação dos trabalhadores com a direção da Famesp e também com a Superintendência do HC. “O diálogo foi importante para conseguir avançar na valorização do vale-alimentação, do auxílio creche, e debater junto com a direção as possibilidades de dissídio que não deixassem desequilibradas as contas da Fundação. Neste ano, fizemos de forma democrática, assembleias e votação por meio das quais todos os funcionários decidiram se aceitavam ou não o aumento proposto pela Famesp”, comenta. “O equilíbrio e o diálogo permanente foram as grandes marcas”, garante.


Veja mais

 

AME Ourinhos promove ações para prevenção e combate à hipertensão arterial

Postado por FAMESP em 26/04/2017 em NOTÍCIAS | Comentários desativados

Hipertensão, usualmente chamada de pressão alta, é quando uma pessoa tem pressão arterial, sistematicamente, igual ou maior que 14 por 9. A pressão se eleva por vários motivos, mas principalmente porque os vasos nos quais o sangue circula se contraem. É muito comum, acomete uma em cada quatro pessoas adultas. Segundo a Sociedade Brasileira de Hipertensão, é responsável por 40% dos infartos, 80% dos derrames e 25% dos casos de insuficiência renal terminal.

A Pesquisa de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel Brasil), realizada pelo Ministério da Saúde em todas as capitais do país e que acaba de ser divulgada, revelou que o número de pessoas com hipertensão cresceu 14,2% em 10 anos - passou de 22,5% em 2006 para 25,7% em 2016. No país, as mulheres têm mais diagnóstico de hipertensão. Ao todo, 27,5% das pessoas entrevistadas que têm hipertensão eram do sexo feminino e 23,6%, do sexo masculino.

No dia 26 de abril é comemorado o Dia Nacional de Prevenção e Combate à Hipertensão Arterial e, por isso, na sexta-feira, 28, a Comissão de Eventos do AME de Ourinhos, unidade da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo (SES-SP) sob gestão da Famesp, disponibilizará, na sala de espera da unidade, fôlderes informativos relacionados à doença, além de orientações sobre alimentação e cuidados gerais. No local, as pessoas ainda poderão medir sua pressão arterial. O público-alvo são pacientes e acompanhantes com consultas agendadas no ambulatório.


Veja mais

 

SAEI de Infectologia conta com novo especialista Médico de Referência em Genotipagem

Postado por FAMESP em 18/04/2017 em NOTÍCIAS | Comentários desativados

Alexandre Naime Barbosa, infectologista e diretor-clínico do Hospital, ajudará pacientes a trocarem o tratamento contra o HIV em busca de melhores resultados.

O médico infectologista e diretor clínico do Serviço de Ambulatórios Especializados em Infectologia “Domingos Alves Meira”, administrado pela Fundação para o Desenvolvimento Médico e Hospitalar (Famesp), Alexandre Naime Barbosa, passou a ocupar recentemente a função de Médico de Referência em Genotipagem (MRG) com a responsabilidade de ajudar pacientes com HIV a trocarem a terapia. Todos que exibem falha ao tratamento, ou seja, estão com carga viral do HIV no sangue detectável após seis meses de acompanhamento, devem trocar a medicação.

De acordo com o especialista, vários municípios do Centro-Oeste Paulista, com uma população estimada de 4,5 milhões de pessoas, ficam sob a responsabilidade de interpretação pelos MRGs do SAEI-DAM Botucatu. O número de pessoas vivendo com HIV/Aids nessa região é de cerca de 5 mil pessoas. O SAEI-DAM é responsável pelo seguimento de aproximadamente 1.000 pessoas vivendo com HIV/Aids de diferentes regiões do Estado de São Paulo, e até mesmo de outros estados.

“A resistência aos antirretrovirais continua sendo um problema na prática clínica para quem lida com o paciente com HIV. Apesar da gradativa diminuição na possibilidade de falha virológica ao tratamento, a transmissão de vírus resistentes ainda é uma realidade. Nesse contexto, a genotipagem, com sua classificação viral e busca por identificação de mutações, consiste em relevante instrumento de monitoramento para o tratamento antirretroviral”, comenta Naime.


Veja mais

 

Arquivo de Notícias